terça-feira, 16 de agosto de 2011

Boa Sorte

a Beto Guedes




Quando em criança, na mais tenra infância
Visagens, duendes, fantasmagorias
Triviais
Vez em quando eles baixavam à terra
Pelo ar, pela voz, num coração


Eu jamais esquecerei do teu ser
Eras um Anjo, o que meus olhos viam
Teus cabelos me diziam e afirmavam
Não tinhas voz de homem nem corpo de mulher


Mudo, eu falei ao meu pai - existem seres assim?
Filho, eles estão em toda parte, basta ouvi-los ao coração,
Pois as palavras que ouvimos hoje, são os acordes de amanhã
Anjos transformam palavras em melodias,
Melodias ditadas por ordem direta de nosso Pai


O tema de tuas canções são como o sopro para a alma que cai
E necessita para melhor voar
Livre abnegação cheia de mensagens:
Caminhos livres


Boa sorte, Anjo companheiro
Que tua viagem seja cheia dessas janelas
Janelas onde entram as luzes eternas
Que tua alma se transforme em Sol
E brilhe por toda parte


Em mim, tenho certeza, fizeste a tua mais sublime parte
Pegastes a dor que paira nos homens
Transformaste em arte
Fizeste chorar corações de bronze
Cantar insurreições em almas vazias


Trouxestes dos céus as mais alvas alegrias:
Lumiar, Lumiar, Lumiar
Quatrocentos golpes de amor:
A Terra, a mulher, o índio, a primavera
Canções do Novo Mundo: Feiras modernas


Boa Sorte, Anjo companheiro
Alvos são agora teus cabelos
Lembras?
Aqueles que eu via dourados quando criança
Dessa cor chamada Esperança
Transformada tua boa sorte em trovões
E fazendo as estrelas caírem quais lagrimas do céu
Tudo isso com uma melodia de amor?


Eu tenho certeza,
Que mais alva ainda se tornará toda tua alma
Transfigurar-se-á naquela estrela
E cairá no mar dos nossos corações
Fazendo nascer novas emoções
Que farão a terra brilhar eternamente
Em amor


Boa sorte...

  

Um comentário: